Imagem de Vitor Shimomura
Vitor Shimomura

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), iniciou a carreira profissional ao dirigir o curta Cacau Amado (15', 2016) para o Canal Futura (Rede Globo).


Como Coordenador de Multimídias na Papel Social, organização especializada em investigar cadeias produtivas, dirigiu os documentários Vidas Tragadas (32', 2018-2019), Terra da Palma (15', 2018), Castanhal (25', 2020) e Sertão Branco (14', 2018). Também dirigiu o documentário Frutas Doces, Vidas Amargas (13', 2019) para a organização humanitária, Oxfam Brasil, além do documentário Meeiros (20', 2020).


Também atuou como diretor de fotografia no projeto socioambiental sobre a produção de algodão orgânico em comunidades tradicionais do sertão nordestino. Esse trabalho foi realizado em parceria com o Instituto C&A, em 2019. Em 2020, produziu o documentário Não é Brincadeira! (31', 2020/2021), sobre a maior torcida organizada do mundo, Gaviões da Fiel. A produção teve como objetivo explicar o trabalho social desenvolvido pelos Gaviões, que auxiliaram milhares de famílias carentes durante a pandemia do novo coronavírus. Este trabalho foi contemplado e financiado pela National Geographic.


Por fim, editou a campanha Mancha de Café (2021), da Oxfam Brasil. Este trabalho consistiu na roteirização e edição de vídeos sobre as violações de direitos humanos na produção de café no Brasil. Pelo Brasil de Fato, realizou o documentário "MST Sob ataque: um dia na luta por terra no Brasil", onde assinou roteiro, direção de fotografia e montagem. Em 2023, participou da construção do documentário "Gerais Encurralado", também pelo Brasil de Fato.

Vídeos
  • Classificação indicativa: Livre
  • Classificação indicativa: Livre